Envie agora sua mensagem para o locutor!

200
caracter(es) restante(s)

Previsão do tempo!

Agora o tempo está Nublado com 17 ºC.

Envie agora seu recado ao nosso mural!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias: Geral

Justiça do RS nega pedido de prisão domiciliar de madrasta do menino Bernardo
08h31, 13/03/2018
Justiça do RS nega pedido de prisão domiciliar de madrasta do menino Bernardo
Graciele Ugulini é acusada pela morte do menino Bernardo (Foto: Reprodução/RBS TV)
Foi negado pela Justiça do Rio Grande do Sul nesta segunda-feira (12) o pedido de prisão domiciliar feito pela defesa de Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini. Ela é acusada de assassinar o enteado com a ajuda de outras três pessoas, em abril de 2014, no município de Frederico Westphalen, no Norte do estado.
 
O pedido foi feito com base na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que autoriza presas gestantes ou mães de filhos com até 12 anos sem condenação a cumprirem a pena em casa. A Promotoria de Justiça de Três Passos já havia se manifestado contrária ao pedido, o que foi também foi colocado na decisão do Diego Dezorzi, da 1ª Vara Judicial da Comarca de Três Passos.
 
"A ré está presa preventivamente e foi pronunciada, juntamente a outras três pessoas, pela prática de crime cometido mediante violência (homicídio quadruplamente qualificado) e contra o enteado, fato grave e que esbarra nos limites da ordem definidos pelo STF", destaca o magistrado em sua decisão.
 
Assim como já havia entendido o Ministério Público, Dezorzi ressaltou que a ré sequer tem a guarda da filha de cinco anos, que está sob a responsabilidade da tia materna, e teve suspenso liminarmente o poder familiar sobre a menina. Além disso, o juiz ressaltou que embora Bernardo não fosse descendente de Graciele, ela era responsável pelo menino.
 
O juiz enfatizou, ainda, que a acusada possui índole violenta e poderia, em razão também dos conhecimentos técnicos que possui por ser enfermeira, voltar-se contra desafetos e praticar outros delitos.
 
Além de Graciele, são réus no processo sobre a morte de Bernardo o pai do menino, o médico Leandro Boldrini, e os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz. Em agosto de 2015, o juiz Marcos Luís Agostini sentenciou os quatro a julgamento popular. Ainda não há data para que isso aconteça.
 
Ao G1, o advogado Vanderlei Pompeo de Mattos informou que ainda não foi notificado da decisão e ainda irá analisar se entrará com recurso.
 
"Tudo que a defesa pede é negado. Mas depois que eu tomar conhecimento do teor da decisão vou ver se achamos uma brecha ou acatamos", afirmou.
 
O que apontou a investigação

No dia 4 de abril de 2014, Bernardo Boldrini, então com 11 anos de idade, foi dado como desaparecido. Dez dias depois, o corpo do menino foi encontrado envolto em um saco plástico e enterrado em um buraco na área rural de Frederico Westphalen, no Norte do Rio Grande do Sul.
 
Segundo a investigação da Polícia Civil, ele morreu em razão de uma superdosagem do sedativo midazolan. Graciele e Edelvânia teriam aplicado o medicamento que levou o garoto à morte.
 

Depois, as duas teriam recebido ajuda de Evandro para cavar a cova e ocultar o cadáver. A denúncia do Ministério Público ainda apontou que Leandro Boldrini foi o mentor do crime. 

Fonte: G1